5 boas razões para não deixar seu filho ficar “beliscando”

outubro 29, 2016

Muitos pais e mães permitem que seus filhos consumam várias porções pequenas de alimento durante o dia ao invés de comerem refeições apropriadas numa rotina mais estruturada.

Mas por que? Porque funciona! No curto prazo… Crianças com dificuldade para se alimentar tendem a preferir comer porções menores de alimento enquanto assistem TV ou andam pela casa. Muitas vezes as pessoas até recomendam isso, pelo fato de que crianças pequenas têm um estômago pequeno e precisam comer pouco e com frequência, mas sem que você perceba, o hábito acaba se tornando uma rotina..

Por que ficar “beliscando” não é bom para o seu filho?
1. Prejuízo na regulação entre fome e saciedade

Se você permitir que a criança coma pequenas porções de alimento com muita frequência (ou em alguns casos, constantemente), ela perde a oportunidade de experimentar a sensação de sentir fome, comer e se sentir satisfeita. Esse padrão de fome e saciedade é importante porque ajuda a criança a aprender a ouvir aos sinais do seu corpo e se auto-regular.

A auto-regulação é vital, ela não só minimiza o risco de obesidade e problemas com a alimentação mais à frente na vida, mas também ajuda a criança a comer com “atenção”. No coração de uma relação positiva com a comida está o fato de que o desejo de comer deve ser direcionado internamente pelos sinais que o nosso corpo nos dá, com consciência daquilo que ingerimos.

2. Ausência de interação consciente com os alimentos

Frequentemente, uma das razões pelas quais a criança quer comer em um ambiente mais informal, fora da mesa de refeições, é porque ela não vai perceber o que está comendo. Mas esta falta de percepção do que se come é exatamente a razão pela qual isso deve ser evitado.

As pesquisas mostram que as crianças precisam ser expostas muitas vezes aos alimentos para que comecem a aceitá-los. Para algumas crianças, comer é complicado porque elas não se sentem confortáveis com o sabor, a textura ou têm dificuldade em processar essas sensações. Essas crianças têm maior probabilidade de desejarem comer assistindo TV ou brincando. Assim, elas não têm sua atenção focada no que estão fazendo, o que torna essa experiência mais fácil.

Ao permitir que a criança coma enquanto faz outras coisas, você está cooperando para que ela continue evitando essas sensações indesejadas, ao invés de ajudá-la com exposições positivas aos alimentos. Todas as vezes que evitamos algo que não gostamos nós reforçamos a necessidade de evitar aquilo nas próximas vezes. Por outro lado, antes de insistir que seu filho coma preparações que ele rejeita, procure entender e compreender suas preferências sensoriais (sabor, textura, etc) ajustando os alimentos a essas condições. Isso facilitará o interesse e desejo dele pelos alimentos.

3. Falta de experiência social às refeições

Crianças que ficam beliscando enquanto fazem outras coisas perdem experiências sociais valiosas. As crianças aprendem muito ao comerem com outras pessoas, elas ganham uma série de habilidades sociais e aprendem sobre a alimentação em si, ao verem outros adultos se alimentarem. Os cientistas descobriram que a maneira como as crianças se relacionam com os alimentos é muito influenciada pelo que elas veem os adultos comerem e como eles comem.

4. Alteração na divisão de responsabilidades

Segundo a nutricionista americana infantil Ellyn Satter, é responsabilidade dos pais determinar a hora, o lugar das refeições e o que será oferecido, e é papel da criança determinar quanto, do que está sendo oferecido, ela vai comer. Se a criança come quando quiser, ele compromete este relacionamento, o que pode levar a vários problemas.

5. Limitação nas oportunidades de exploração e conhecimento dos alimentos

Você pode dar biscoitos ou salgadinhos para seu filho enquanto ele assiste TV, mas é improvável que você dê um peixinho assado ou um ensopado, por exemplo. Se a criança logo cedo cai nesse padrão de comer em frente à TV, ela provavelmente vai crescer se sentindo confortável apenas com alimentos secos e frios. Isso faz com que seja ainda mais difícil a criança se aclimatar com alimentos quentes, molhados ou com texturas mais complexas.

Se seu filho fica “beliscando” durante o dia, ele também não vai ter apetite suficiente para comer uma refeição substancial e vai se acostumar apenas com “lanchinhos” mais fáceis para comer. Com isso você o afasta definitivamente da possibilidade de conhecer e se relacionar com uma variedade de alimentos que fazem parte das refeições da sua família.

Texto adaptado, publicado originalmente aqui.

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
Leave a reply
Fga. Dra. Patrícia Junqueira no II Encontro Brasileiro de Integração Sensorial | 30 out 2016Para pensar | 1 nov 2016

Leave Your Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *