5 mitos e verdades sobre o engasgo na criança

julho 09, 2016

Você já teve medo, ou vivenciou uma situação em que seu filho engasgou? Quem já passou por essa experiência, um tanto quanto traumática e muito desagradável, vai entender o por que de abordamos esse assunto hoje.

Já tive várias famílias que atrasaram o início da oferta de alimentos sólidos a seus filhos, com medo de que eles pudessem engasgar. De fato quando uma criança está aprendendo a comer, todo o cuidado é pouco. Precisamos adequar a consistência do alimento as suas capacidades motoras orais e sempre, acompanhar a alimentação de uma criança.

A postura para comer, seja no cadeirão ou com cadeira adaptada, as condições orais (mastigar é essencial!), a consistência do alimento ajustado às condições orais da criança (lembre-se não é a idade que prevalece e sim as condições e maturidade sensório-motora-oral) além da supervisão de um adulto no momento em que a criança se alimenta, são excelentes fatores para prevenção de um possível engasgo.

O post de hoje, escrito por uma colega norte-americana, aponta mitos e verdades sobre o engasgo na criança. Se você tem filhos ou conhece crianças em fase de desenvolvimento alimentar, não pode deixar de ler!

Espero que se informe e possa divulgar esse conteúdo! A prevenção é o melhor caminho, sempre!

Abraço fraterno,

foto_patricia_junqueira1

Fonoaudióloga Doutora Patrícia Junqueira | CRFa 5567

5 mitos e verdades sobre o engasgo na criança

Como fonoaudióloga que trabalha com crianças, eu frequentemente encontro pais e mães com idéias erradas sobre o engasgo. Especialmente quando seus filhos têm entre 6 meses e 4 anos e estão aprendendo a comer uma variedade de alimentos sólidos. Abaixo, eu listo 5 mitos comuns que a fonoaudiologia pode esclarecer. Assim como 5 verdades que nós podemos disseminar para promover consciência sobre este assunto e manter as crianças seguras nesta fase de aprendizado alimentar.

Mitos
1. Se a criança tosse enquanto come é porque está engasgada

Normalmente, uma tosse ocasional enquanto a criança come significa que ela está tendo dificuldade para engolir. Ela está tentando expelir algum resíduo das vias aéreas ou áreas próximas a elas. Para a criança conseguir tossir, é necessário que esteja passando ar pelas vias áereas, assim, a tosse é um bom sinal de que as vias aéreas estão protegidas. Entretanto, fique atento caso a tosse seja constante ou haja uma alteração no padrão de respiração durante ou após o episódio.

2. Nausear com a comida significa que a criança está engasgada

Nausear também é um reflexo que ajuda a proteger as vias aéreas. Mas é claro que não desejamos que a criança sinta náusea várias vezes ou desenvolva associações ruins com a comida. Ocasionalmente, esse reflexo de náusea acontece quando o cérebro detecta uma perda de controle sobre a comida na boca. Ainda assim, este não é um mecanismo a prova de erros. As vias aéreas das crianças são estreitas e a comida ainda pode ficar alojada ou ser inalada com muito mais facilidade do que acontece em um adulto, provocando também um desconforto que pode ser manifestado por meio da nausea.

3. O reflexo de protrusão da língua do meu bebê vai protegê-lo de engasgar

Os bebês movem sua língua num movimento para frente e para trás quando são amamentados ou tomam mamadeira. Quando alimentos sólidos são introduzidos, este movimento anterior e posterior move o alimento para fora da boca do bebê até que ele aprenda a trazer a comida de volta para o fundo da boca pra a engolir. Purês ajudam os bebês a aprender engolir de maneira segura. Outros alimentos macios que ele possa pegar com as mãos, como abacate ou batata doce em palito assada (sem casca) podem ajudá-lo a desenvolver suas habilidades para comer. Mas não confie na capacidade de um bebê em empurrar comida para fora antes que ele tenha aprendido a mastigar e engolir. Aprender a comer é um processo a ser desenvolvido. Oferecer alimentos que são apropriados apenas para estágios mais avançados aumenta a chance da criança engasgar, especialmente devido à anatomia singular das crianças mais novas.

4. Levantar as mãos da criança acima da sua cabeça ajuda a parar a tosse ou faz desengasgar

Elevar os braços de quem está tossindo pode, na verdade, tornar a situação mais perigosa. O movimento dos braços influencia o movimento do pescoço e tronco da criança. O que, por sua vez, pode fazer o alimento que está provocando o engasgo se deslocar e bloquear as vias aéreas.

5. Dar “tapinhas” nas costas, quando a criança está tossindo

Lembre-se, tossir não é engasgar. Dar “tapinhas” nas costas da criança que está tossindo pode fazer com que o alimento caia nas vias aéreas e bloqueie a passagem de ar.

Verdades
1. A criança engasgada frequentemente produz pouco ou nenhum som

Esteja sempre presente e atento enquanto uma criança pequena come. Se suas vias aéreas forem bloqueadas, pouco ou nenhum ar irá passar. Você provavelmente vai ver que ela está engasgada, antes de ouvir qualquer coisa – se é que vai ouvir.

2. Você deve ligar para o 192 e realizar procedimentos de primeiros socorros caso uma criança tenha dificuldade para respirar, caso tenha alterações na coloração do seu rosto
3. Alimentos podem entrar na laringe, traquéia e/ou pulmões por uma série de razões

Dependendo das circunstâncias, a “aspiração” ou “aspiração silenciosa” de alimentos causa complicações imediatas e também tardias. Mesmo que a criança não esteja engasgada, a aspiração pode causar complicações que podem colocar sua vida em risco com o decorrer do tempo. Esteja atento aos seguintes sintomas e os comunique ao pediatra do seu filho:

– dificuldade para deglutir a saliva;
– voz com som diferente (também conhecida como “voz molhada ou wet voice”);
– acúmulo de muco após se alimentar, ou congestão crônica;
– múltiplos episódios de febre baixa;
– histórico de pneumonia ou infeções respiratórias frequentes;
– tosse constante enquanto come ou bebe líquidos ou depois;
– medo de se alimentar;
– interesse diminuido em se alimentar;
– perda de peso ou crescimento insuficiente;
– desconforto ou irritabilidade antes, durante ou depois de comer ou beber.

4. Evite certos tipos de alimentos a menos que sejam amolecidos e/ou cortados, amassados ou separados em pedaços pequenos

Estes alimentos provocam um alto risco de engasgar caso não sejam devidamente preparados: maçãs, nozes, sementes, uvas, cenoura crua, pipoca, manteiga de amendoim, aglomerados de passas ou frutas secas, marshmallows, goma de mascar, balas duras e salsichas.

5. Procure treinamento em primeiros socorros e ajuda em caso da criança engasgar

Babás e irmãos mais velhos também devem ser treinados. Também aprenda sobre a manobra de Heimlich. Há aulas abertas na maior parte dos hospitais, cursos online e vídeos contendo instruções (*Peça indicações para o pediatra do seu filho).

Texto originalmente publicado aqui.

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
Leave a reply
Por que apresentar às crianças a jardinagem?Depoimento de mãe | A recusa alimentar da minha filha me fez ampliar a visão como fono

Leave Your Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *